Tubixaba tuxaua: o maioral dos maiorais

Quando um colega do RS me enviou a foto acima não hesitei em levantar a hipótese de danos por nematóides. Qualquer agrônomo que receba fotos com sintoma de reboleira pensa nessa  primeira alternativa, e esse caso não era uma exceção.

O espanto veio quando ele mostrou alguns vídeos das raízes de trigo com vários vermes ‘saltando’ delas. Milhares de minúsculas e delgadas ‘lombrigas’ brancas. Você pode conferir logo abaixo:

Esse vídeo foi enviado em um grupo de técnicos da região sul, com quem tive a satisfação de participar de alguns treinamentos. Entre algumas dezenas de colegas não houve algum que soubesse ‘palpitar’ sobre a praga. Não é pra menos, isso não tem nada a ver com o que a maioria de nós está acostumada sobre nematóide, nada que se pareça com meloidogyne, pratylenchus, cisto ou nematóide reniforme. Um bicho desse visto a olho nu é novidade para grande parte dos agrônomos, técnicos e produtores do país.

Me lembrei de uma curiosidade dita por um pesquisador da área, um nematóide intitulado o ‘maioral dos maiorais’ de tão grande que é, o tal do Tubixaba tuxaua. Levantada a hipótese o colega Rogério Silveira (a quem agradeço pelas fotos e vídeos) obteve o laudo de análise de nematóides confirmando o palpite.

Não se tem muitas informações sobre essa espécie e poucas ocorrências são encontradas por aí (felizmente), os danos podem aparecer em soja, milho, trigo e outras culturas (não sei dizer muito sobre sua magnitude). Compartilho esse registro para que mais colegas possam tomar conhecimento sobre esse inimigo que talvez venha a aparecer em mais lavouras pelo nosso país.

Eng. MS Geraldo Gontijo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *